Nota de solidariedade da Plataforma Laboral e Popular à Paralisação Nacional Brasileira de 28 de Abril

30/4/2017

 

A PLATAFORMA LABORAL E POPULAR, mais uma vez cumprindo sua tarefa de solidariedade internacional com os trabalhadores, presta seu apoio aos milhões de trabalhadores (as) brasileiros (as) envolvidos na paralisação nacional do dia 28 de Abril contra as contra-reformas trabalhista e previdenciária cometidas pelo governo Temer.

 

Milhares de categorias e milhões de trabalhadores estão nas ruas, de braços cruzados, em união, paralisando a produção e a circulação de mercadorias mostrando ao Capital e seu Estado que os trabalhadores tem força para barrar as medidas de cortes de direito e precarização da vida em curso pelo governo atual ao serviço da burguesia nacional e imperialista. Após anos de ilusão de participação e disputa do Estado, mediante os recentes ataques, a classe trabalhadora do Brasil se vê na necessidade de romper com a ideia de uma possibilidade de colaboração entre as classes e entender que a luta autônoma e independente é a única saída. Ainda há muito o que se caminhar, ainda há a necessidade de romper com velhos vícios e práticas, o sindicalismo pelego e de resultado ainda é uma constante e hegemônico no seio da luta da classe trabalhadora brasileira, mas o início de um novo ciclo, simbolizado pela paralisação deste dia, mostra que há terreno fértil para a prática de um sindicalismo combativo e classista no Brasil.

 

A corrupção instalada em todas as esferas de todos os poderes constituídos na democracia burguesa brasileira, seja no Executivo, Legislativo e Judiciário, devem servir para denunciar o caráter corrupto inerente ao Estado Burguês e que não há formas de gerir o Comitê de Gestão dos Interesses Políticos da Burguesia a favor dos trabalhadores e não para reforçar velhas ilusões de que há um caminho por dentro desse aparato. A paralisação de hoje deve servir para inaugurar um ciclo de autonomia em relação ao Estado e não reforçar velhas figuras carcomidas pelas próprias escolhas que resultaram na péssima situação atual para o conjuntos dos trabalhadores. É preciso, através da luta cotidiana, avançar contra os grupos midiáticos e partidários que falsificam a realidade e buscam iludir as massas de que é preciso tirar dos trabalhadores para garantir um Estado Social que está em ruínas antes mesmo de sua plena implantação.

 

O governo Temer escancarou de vez a necessidade da burguesia garantir seus lucros através da precarização da vida dos trabalhadores brasileiros, aumentando a idade para aposentadoria, terceirizando a contratação de força de trabalho, flexibilizando a contratação e diluindo ou encerrando com uma série de direitos adquiridos pelos trabalhadores brasileiros há décadas fruto de suor, sangue e luta. Nem a ditadura empresarial-imperialista-militar inaugurada em 1964 havia avançado com tanta violência contra os trabalhadores. A Plataforma Laboral e Popular deixa claro que está ao lado dos trabalhadores e que está disposta a contribuir para o fortalecimento do sindicalismo classista no Brasil.

 

 

VAMOS À LUTA, CAMARADAS. SÓ A LUTA MUDA A VIDA! NENHUM DIREITO A MENOS!

 

 

Meu Maio

 

A todos

Que saíram às ruas

De corpo-máquina cansado,

A todos

Que imploram feriado

Às costas que a terra extenua? 

Primeiro de Maio!

Meu mundo, em primaveras,

Derrete a neve com sol gaio.

Sou operário?

Este é o meu maio!

Sou camponês - Este é o meu mês.

Sou ferro?

Eis o Maio que eu quero!

Sou terra?

O Maio é minha era!

 

Vladimir Maiakovski

Partilhe no Facebook
Partilhe no Twitter
Partilhe no Linkedin
Please reload