Dois milhões de portugueses na pobreza

18/12/2016

 

 

Segundo dados do INE, dois milhões de pessoas vivem atualmente em "privação material" em Portugal e cerca de 868 mil em "privação material severa".

Estes dados vêm confirmar a necessidade urgente de uma resposta concreta à contradição entre os interesses de acumulação capitalista do patronato e os legítimos anseios dos trabalhadores e camadas populares, afectadas pela pobreza e pela miséria, causadas pelo desemprego, pelos baixos salários e pensões, pela precariedade laboral e pela carestia das conquistas sociais dos trabalhadores ao Estado burguês, nomeadamente o SNS e a Escola Pública, que se exige, sejam gratuitas e de qualidade.
As políticas sociais do actual governo e a pequena recuperação nos rendimentos do trabalho são manifestamente insuficientes para fazer face aos graves problemas sociais que estes dados apontam.
Assim, contra o desemprego, pelo direito ao trabalho, pela melhoria dos salários e das pensões, a Plataforma Laboral e Popular conclama os trabalhadores a exigir:

 

- Redução imediata da jornada de trabalho, sem perda de remuneração.


- Proibição do trabalho precário e temporário e encerramento das empresas de trabalho temporário.


- Fim aos falsos recebidos verdes - direitos iguais para todos (as) os (as) trabalhadores (as)!


- Aumento das pensões e reformas mínimas para 90% do salário mínimo nacional.


- Não ao pagamento das propinas e por uma escola pública gratuita!


- Não à privatização da saúde - melhor assistência e gratuitidade!


- Aumento imediato do salário mínimo nacional para 600 euros!

 

Partilhe no Facebook
Partilhe no Twitter
Partilhe no Linkedin
Please reload